Defeitos do desfecho

O fim de um relacionamento é sempre árduo e turbulento, mas também serve pra fazer uma análise das virtudes, atitudes  e comportamentos de cada uma das partes envolvidas, e alterar ou reconstruir novas formas de agir na vida. Mesmo um casal de defeitos totalmente avessos, merece chances de recomeço antes de um total desfecho.

Não julgue ou defina o outro por uma situação vulnerável, pois saiba que ele pode estar apenas num momento frágil. Não o desvalorize nem ponha em revalia a expectativa do outro, e menos ainda sua experiência. Nos momentos de maior carência, faça escolhas saudáveis. Não realize nada que possa se arrepender, e cuidado de qm ou do q vc se afasta. Mantenha os ânimos estáveis!

Estude formas de melhorar a comunicação e contornar qualquer entrave, e utilize tudo que sabe antes que o seu caso se torne realmente sem retorno, ou demasiadamente grave.

Anúncios

Nao apedreje o poeta!

Nao apedreje o poeta!

Você pode acertar em cheio sua cabeça e tornar suas ideias ainda mais confusas, embora ele tenha a mente aberta, não foi uma pedra que formou suas opiniões, e nem milhões delas irão retirar seu poder de escrever e influenciar pessoas.

Não apedreje o poeta!

Você pode derruba-lo quando penetra-lo bem fundo no coração, tirando do pouco que sobrar da sua razão. Ele que já vem sendo castigado pelas fagulhas de amor que ardem no seu peito como carvão em brasa. Ele já tem endurecido alguns sentimentos, que se desfazem como o embolso mal feito.

Não apedreje o poeta!

Você não conhece os dilemas que ele atravessa. As estradas pontiagudas que caminhou cortando os pés para chegar ate aqui. Ele pode construir uma muralha com essas pedras que te afaste de vez de suas lendas. Então, mesmo naquilo que não concordou, ou ele não contemplou, entenda, compreenda, reconsidere, e não apedreje!

Des-pedida

Eu iria dizer algo, mas acho que você não se importa, talvez nunca tenha notado o quanto sua falta me sufoca. E aos poucos, fechando a porta do diálogo, vamos nos distanciando, nos tornando estranhos, nos desinteressando… Queria muito que fosse tudo bem diferente, que você fosse mais presente na minha vida, já que sempre tentei ser um presente pra vc! Mas agora, nem tenho mais o que dizer, e também não tenho mais nada pra recorrer. Deixe-me partir, deixe-me morrer, porque nos últimos tempos que vivi foi perdendo o ar de amor, agonizando de dor, e agora aqui estou, sangrando por vc!…

Está difícil encontrar pessoas interessantes

“Está difícil encontrar pessoas interessantes!”

Havia dito esta frase em rede social e o efeito foi alguns se apresentarem como pessoas interessantes (na defensiva) e outros me questionarem o conceito deste termo, já que o interessante depende de quem julga. Então gostaria de suscitar uma reflexão em torno desta procura. Quem você considera interessante? Quais características te atraem?

Eu pensei bastante antes de elaborar minha resposta e acabei dizendo que sou sapiossexual, pois tenho atração por pessoas inteligentes, mas isso não se sustentou por muito tempo já que conheci diversos tipos de fanáticos, arrogantes, prepotentes, orgulhosos…

Então agora se tiver que escolher o principal atributo de alguém para que eu considere interessante isso será seu senso de humor, mas claro que se a pessoa exercer de forma respeitosa, compreensiva, empática e gentil. Obviamente que tais elementos exigem um grau de instrução e de orientação que não oprima classes já socialmente oprimidas, e muito pelo contrário, saiba utilizar ironia e criatividade para problematizar e superar os dilemas dos opressores.

Portanto, uma pessoa interessante deve investir no seu constante aperfeiçoamento buscando evoluir e tornar o mundo daqueles que se encantaram por ela cada vez mais justo e belo.

Rascunhando felicidade

“Uma pergunta: oq é felicidade?”
Numa manha de segunda-feira solicitei a opinião de 20 contatos, dentre os 60 que tenho no whatsapp. Alguns expuseram o incômodo por ser uma pergunta dificil, complexa e de múltiplas interpretações, outros desconversaram perguntando pra q eu qria suas opiniões ou devolvendo a pergunta. Ainda teve qm lembrou q dicionario daria uma definicao mais “socialmente correta” e quem refletiu q era cedo demais pra filosofar. Alguns ficaram d pensar e nunca responderam, ainda havia os que alegavam ter pouco conhecimento no assunto ou desconhecer a existência. Outros arriscaram o bordão de que “felicidade são momentos”, mas talvez reconhecendo serem raros e até caros. Um bem-humorado disse q se soubesse este conceito estaria rico. Outros foram pessimistas ao lembrarem da validade das sensações, tão efêmeras. Um amigo associou ao esquecimento de problemas (pessoais e sociais) com relaxamento, sorriso e gargalhadas. Outros mencionaram suas válvulas de escape e uso/abuso de álcool.
Familia, filhos, amigos, amor, Deus, trabalho, sucesso, paz, completude, liberdade, escolha profissional, casa própria pra se abrigar, dinheiro, coisas materiais, o “necessario”, o alimento de cada dia, atividades diversas, posibilidades de passeio e viagem, saude, lucidez, cuidado ao próximo, solidariedade, sabedoria…
A lista seria infinita!
De fato, foi qse unanime o reconhecimento d q não existe felicidade o tempo todo, exceto os q associaram felicidade a resignação: entao seria uma escolha constante por contentamento e aceitação do q se tem. A felicidade assim deveria estar no cotidiano de vida de cada um. Muitos compreenderam q cada um tem sua propria definição de felicidade, assim como cada um tem para suas necessidades, interesses e graus de satisfação. Uma amiga diferenciou esse ultimo termo, pois acha q felicidade não depende de nós, então satisfação, a gente pode correr atrás.
Minha mãe acha q felicidade é interna e não depende de nada exterior, então seria fundamental nos conhecermos para sabermos o que devemos buscar, mas ela mesma tb escreveu q “as vezes somos felizes por fazer o outro feliz.” Assim, o bem alheio (e nossa bondade) TB poderia nos interfirir, pq nos sentimos bem qd sabemos q qm amamos está bem. Entao, como outro amigo acredita, seria um estado de espirito tb induzido por fatores externos, ao mesmo tempo q depende de “equilibrio emocial”.
Um amigo acha que seremos felizes se nos sentimos bem pelo que somos, mas TB falou de amizade e reciprocidade, q seria fundamental para tal.
Talvez seja verdade q “uma das maneiras de sabermos se somos felizes é listarmos o que temos para agradecer a Deus”. A gratidão então TB nos faria felizes.
Um poeta definiu que “Felicidade é um estado de auto-conhecimento e compreensão de vida”, então se diferenciaria de alegria, por ser uma questão de identificação (ser feliz ou não).
Por fim deixo um verso que minha mãe (e maior inspiradora) bem lembrou: “Felicidade é uma visita apressada, que chega assim de repente e parte sem dizer nada.”
Agradeço todas as contribuições e desejo a todos muita felicidade!!!

Os limites do humor

A aceitação do humor na vida moderna implica de um lado atitudes conservadoras e de outro posicionamentos críticos. O ideal da felicidade eterna exige simpatia, sorriso e bom humor para lidar com os problemas, contudo a sensação de insatisfação e de incapacidade de transformação social se reduz numa piada sobre as mazelas da vida privada ou de uma realidade estática. Assim cada um faz graça da própria desgraça, e pormenoriza o enfrentamento das questões mais coletivas. Alem disso, os grupos já excluídos como negros, mulheres, idosos, indígenas, nordestinos, obesos etc são humilhados em nome do humor, principalmente atrás de estereótipos do “negro sofredor”, da “loira burra”, da idosa que não tem direito de ir a praia de biquíni, do índio de cultura a nosso dispor, do “baiano preguiçoso”, da “gordinha” que não pode amar, entre tantos outros. O preconceito e o desrespeito passam a imperar para risada de alguns e a lágrimas de outros. O famoso Charlie Chaplin em “Tempos Modernos”, ainda que no cinema mudo, gritou pro mundo de forma muito bem humorada que o capitalismo já estava nos enlouquecendo, mas nos resta saber ate que ponto o humor leva a aceitação do status quo, a provocação de mudanças ou a marginalização de grupos.

 

OBS: Texto de agosto de 2014

Empatia dispensa maquiagem

Qualquer curso básico de técnicas de atendimento ao público enfatizaria a simpatia como principal atributo, quase sempre associando ao sorriso e boa aparência. Discordo completamente! A simpatia sem empatia é mais frágil que uma escova em dia de chuva, por isso não se iluda! Precisamos de pessoas sinceramente interessadas nas outras, e sem serem preparadas para somente vender uma ideia que nao seja dela da falsa felicidade de comercial de margarina da família na mesa compartilhando café da manha e rindo feito hiena sob os primeiros raios solares. Nao adianta treinar seus olhares se no coração nao ha pureza e razão. Precisamos então de empatia, a capacidade de se colocar no lugar do outro para compreende-lo e apoia-lo. Assim, nao importa se numa situação triste borrarmos nossa maquiagem de lagrimas, se um abraço forte vai te deixar suada, ou se o vento vai bagunçar o seu cabelo. Marketing nao está na maquiagem, que se propõe ser uma roupagem que esconde a verdade, das rugas da insonia e da idade. Então, não destrua sonhos de verdade por orgulho ou vaidade.

OBS: Texto escrito em junho de 2015