Rascunhando felicidade

“Uma pergunta: oq é felicidade?”
Numa manha de segunda-feira solicitei a opinião de 20 contatos, dentre os 60 que tenho no whatsapp. Alguns expuseram o incômodo por ser uma pergunta dificil, complexa e de múltiplas interpretações, outros desconversaram perguntando pra q eu qria suas opiniões ou devolvendo a pergunta. Ainda teve qm lembrou q dicionario daria uma definicao mais “socialmente correta” e quem refletiu q era cedo demais pra filosofar. Alguns ficaram d pensar e nunca responderam, ainda havia os que alegavam ter pouco conhecimento no assunto ou desconhecer a existência. Outros arriscaram o bordão de que “felicidade são momentos”, mas talvez reconhecendo serem raros e até caros. Um bem-humorado disse q se soubesse este conceito estaria rico. Outros foram pessimistas ao lembrarem da validade das sensações, tão efêmeras. Um amigo associou ao esquecimento de problemas (pessoais e sociais) com relaxamento, sorriso e gargalhadas. Outros mencionaram suas válvulas de escape e uso/abuso de álcool.
Familia, filhos, amigos, amor, Deus, trabalho, sucesso, paz, completude, liberdade, escolha profissional, casa própria pra se abrigar, dinheiro, coisas materiais, o “necessario”, o alimento de cada dia, atividades diversas, posibilidades de passeio e viagem, saude, lucidez, cuidado ao próximo, solidariedade, sabedoria…
A lista seria infinita!
De fato, foi qse unanime o reconhecimento d q não existe felicidade o tempo todo, exceto os q associaram felicidade a resignação: entao seria uma escolha constante por contentamento e aceitação do q se tem. A felicidade assim deveria estar no cotidiano de vida de cada um. Muitos compreenderam q cada um tem sua propria definição de felicidade, assim como cada um tem para suas necessidades, interesses e graus de satisfação. Uma amiga diferenciou esse ultimo termo, pois acha q felicidade não depende de nós, então satisfação, a gente pode correr atrás.
Minha mãe acha q felicidade é interna e não depende de nada exterior, então seria fundamental nos conhecermos para sabermos o que devemos buscar, mas ela mesma tb escreveu q “as vezes somos felizes por fazer o outro feliz.” Assim, o bem alheio (e nossa bondade) TB poderia nos interfirir, pq nos sentimos bem qd sabemos q qm amamos está bem. Entao, como outro amigo acredita, seria um estado de espirito tb induzido por fatores externos, ao mesmo tempo q depende de “equilibrio emocial”.
Um amigo acha que seremos felizes se nos sentimos bem pelo que somos, mas TB falou de amizade e reciprocidade, q seria fundamental para tal.
Talvez seja verdade q “uma das maneiras de sabermos se somos felizes é listarmos o que temos para agradecer a Deus”. A gratidão então TB nos faria felizes.
Um poeta definiu que “Felicidade é um estado de auto-conhecimento e compreensão de vida”, então se diferenciaria de alegria, por ser uma questão de identificação (ser feliz ou não).
Por fim deixo um verso que minha mãe (e maior inspiradora) bem lembrou: “Felicidade é uma visita apressada, que chega assim de repente e parte sem dizer nada.”
Agradeço todas as contribuições e desejo a todos muita felicidade!!!
Anúncios

2 comentários sobre “Rascunhando felicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s