Aquela mulher

Aquela mulher tão meiga e doce é uma onça feroz e sedenta.

Mesmo em clima quente e instigante, em seu desejo insaciável é violenta!

Ela é selvagem e segue seus instintos famintos com muita coragem,

Ela me encantou, me atiçou e me devorou até os ossos.

Ela fez eu acreditar no amor, e crer que o mundo é todo nosso!

Ela me ensinou a experimentar coisas novas e organizar melhor a agenda,

Ela que me provocou tanta goza, agora me trata com indiferença.

Queria ser capaz de ser mais, mas agora já não posso!

E nessa distância e desavença não há mais nada de bom que a convença,

Eu to desesperada pela sua perda e ainda mais travada. Ela está tensa e em descrença.

Ela não entendeu que meu tempo é lento, mas meu sentimento é intenso.

Ela me deixou apavorada. Ela me abandonou no meio estrada.

Hoje essa onça linda e livre não precisa mais de minhas carnes esgarças e humildes

e eu sigo um outro caminho, de forma bem mais lenta e triste…

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s