Recusando os reflexos da ausência

Recusando os reflexos da ausência
Eu evito os espelhos, porque não quero rever o quanto meus olhos estão feios, profundos, vermelhos. As noites mal dormidas também se imprimem em olheiras esverdeadas e em rugas na pele envelhecida. Toda manha o primeiro pensamento ao despertar é o compromisso de não falar com as pessoas amadas, sob o risco de magoa-las ou incomoda-las. Ainda bem que ainda posso sonhar, mesmo acordada, que um dia voltaremos a nos encontrar, pois sem isso nem teria desejo de levantar. Peço forças ao poder superior pra ter coragem de prosseguir sem amor, e peço cuidados em nossos passos, e para conseguir seguir dia após dia respeitando o espaço que me pediram, e superar a perda do meu sentimento que explodiram. É difícil aceitar, mas fui expulsa, após alguns almoços, maças, amassos e maços. Nos meus planos eles não poderão mais estar, e assim devo ir levando, não sei o que, nem pra que lugar, e também evitando falar. Na verdade, nem dá vontade de acordar. Eu tento abrir os olhos e a visão fica embaçada, e não é pela remela acumulada. Os olhos que brilhavam são os mesmos que agora se ofuscam em lagrimas, atenuadas pelos cílios que se ajuntam e se abraçam. Os meus cabelos, que foram cortados pra dar mais leveza, bagunçam meu rosto já sem nenhuma beleza. Na testa, as marcas da sobrancelha em tristeza, pelos cortes e perdas de uma vida curta, mas bastante curtida, e com lembranças que me infesta dos nossos tempos de festa. Infelizmente interrompi novamente aquele tratamento de pele pra acnes e espinhas, mas para que pensar nos buracos do meu rosto quanto sinto um vazio bem maior por todo meu corpo? Aí a cara ta meio infeccionada e a alegria foi enterrada nas covinhas que o meu sorriso antes deixava, e então acho que não sobrou mais nada, pois eu também estou afetada e de coração inflamado por tanto amor recusado. Por vezes piro, noutras respiro em busca de alguma pureza. Sinto um frio por toda espinha de saber que essa falta será uma constância, e meus lábios estão rachados e esbranquiçados, porque nunca mais serão por meus amores beijados.
Fonte da figura: http://www.recantodasletras.com.br/pensamentos/5584278

Continuar lendo “Recusando os reflexos da ausência”

Anúncios

Aquela mulher

Aquela mulher tão meiga e doce é uma onça feroz e sedenta.

Mesmo em clima quente e instigante, em seu desejo insaciável é violenta!

Ela é selvagem e segue seus instintos famintos com muita coragem,

Ela me encantou, me atiçou e me devorou até os ossos.

Ela fez eu acreditar no amor, e crer que o mundo é todo nosso!

Ela me ensinou a experimentar coisas novas e organizar melhor a agenda,

Ela que me provocou tanta goza, agora me trata com indiferença.

Queria ser capaz de ser mais, mas agora já não posso!

E nessa distância e desavença não há mais nada de bom que a convença,

Eu to desesperada pela sua perda e ainda mais travada. Ela está tensa e em descrença.

Ela não entendeu que meu tempo é lento, mas meu sentimento é intenso.

Ela me deixou apavorada. Ela me abandonou no meio estrada.

Hoje essa onça linda e livre não precisa mais de minhas carnes esgarças e humildes

e eu sigo um outro caminho, de forma bem mais lenta e triste…

 

Refletindo os erros dos amores anteriores

Refletindo os erros dos amores anteriores

Fonte da imagem: https://quandooamoracaba.wordpress.com/2016/01/12/um-coracao-em-mil-pedacos/

Fui uma menina que errei demais no passado, não porque amei demais, mas porque amei errado. Revelei alguns segredos a companheiros que nunca poderia ter compartilhado, porque nunca tiveram de fato ao meu lado e relevei agressões e ações de parceiros que nunca deveria ter perdoado, ou pelo menos, teria que tão logo ter me afastado. Escondi ficantes por esquemas que pareciam mais relevantes e também enganei e fui amante. Sempre levei a sério todo tipo de relacionamento, e até nós mais breves fiz forte investimento, não só de tempo e sentimento, como da construção de um futuro conjunto, que muitas vezes sequer saia da minha imaginação. Hoje sinto toda sobrecarga desses erros sozinha e solitária com a minha filha. Os amores deram partida sem despedida, e por isso sempre permaneceram de alguma forma na minha vida, através da lembranças e das palavras incompreendidas. Para os leigos, solicito atenção para essa lição: nunca siga cegamente o seu tolo coração! Hoje ainda sofro demais com a culpa que carrego todo dia para o travesseiro, enquanto a razão me tira o sono e me causa desassossego. Hoje me esparramo na cama vazia treinando o desapego e mesmo assim sonhando que um dia encontrei o cara para seguir os meus planos, e que mais importante do que ser alguém que amo, que seja um homem que não me leve ao abandono, e que por fim, seja mesmo boa experiencia para mim, que ainda me amo!

DESABAFO DEPRESSIVO: ONDE ESTÃO OS MOTIVOS PARA GRATIDÃO???!!!

Imagina uma tristeza profunda e quase irreparável, como por exemplo uma pessoa muito próxima falecer: alguém que você amava demais e que sofre porque nunca mais verá nem ouvirá qualquer palavra. Agora pense num sentimento similar 300 dias do ano (ou até mais se não me engano). É assim que me sinto a cada partida, a cada desprezo, a cada desinteresse alheio. É o amor que está morrendo em mim! É a pessoa potencialmente feliz e tranquila que não existirá mais, nem em pensamentos de paz. É quando a vida já não tem mais espaço para desilusão e decepção. A desolada esperança foi fuzilada, e se é a última que morre, não adianta se fazer mais nada!

Tenho uma grande revelação a fazer

Tenho uma grande revelação a fazer

 

Fonte da imagem: https://br.pinterest.com/mayjanelu/without-clothes/

_______________________________________________

Tenho uma grande revelação a fazer: Tenho HIV!

AIDS é uma doença incurável que deixa nossa saúde instável e cedo ou tarde pode nos abater.

Sei que estando comigo, mesmo sendo apenas um amigo, tu podes sofrer por isso.

Mas há muitas coisas positivas para as pessoas que carregam esta debilidade na vida:

O tratamento pode ser totalmente gratuito, e no Brasil é uma referência mundial.

Os cuidados gerais com o corpo são redobrados, e em todos os serviços públicos somos priorizados.

Tu podes me dar beijos e abraços, porque isso não será fatal.

Posso usar sempre preservativo contigo, e se por acaso se romper, basta tomar um coquetel num hospital para se proteger.

Uma pessoa que adquire o vírus pode viver muito bem por mais de 10 anos, então ainda poderíamos juntos fazer muitos planos.

Os pesquisadores insistentemente buscam criar melhores condições de vida e vacinas efetivas.

Eu aprendi a lidar melhor com outras pessoas e a dar mais valor ao amor, que está em tantas coisas belas e simples, mas que deixamos escapar e/ou não percebemos que existe.

Sei que este é um assunto delicado e sério demais para ser confiado às pressas, mas nunca foi uma possibilidade para mim não ser uma pessoa honesta!

Então, agora que tu sabes meu maior segredo, venhas sem medo, porque prometo que tentarei fazer cada minuto valer a pena, e que nunca deixarei minhas limitações se tornarem teus problemas.

Ei, eu desnudo o meu mundo e em troca tu ficas mudo? Não achas um pouco absurdo?

Éramos tão íntimos, e agora te sinto se afastando abruptamente.

Por que não aceitas o fato de que eu seja simplesmente diferente?

Eu não posso controlar ou manipular teu pensamento, mas imagino que seu receio não chega nem perto do meu tormento. Nunca busquei encontrar culpados para minha situação, mas se no passado houve erros, hoje há reflexão e ação, que submete as emoções e os desejos à responsabilidade da razão.

Somos soro-discordantes sim, mas seres humanos semelhantes. Contar tudo isso foi para mim um alivio e um ato de coragem, mas para tu, foi visto como oportunidade de abandono e sumiço no uso de sua liberdade, porque me depreciaste e criaste de mim uma imagem que não condiz com a minha realidade. Assim essa conversa, atravessada pelo teu preconceito, tornou-se humilhante, porque me colocou como alguém inferior e desmerecedor de sua atenção ou do seu amor, como se eu tivesse que te pedir por favor para que estejas perto.  Agora prefiro que se permaneça distante.

Mais uma vez não entendo porque não foram considerados os meus sentimentos, mas não vai adiantar permanecer no meu lamento. Então vou me reelaborar e continuar num constante movimento de confiar, revelar e, quando obter o desprezo, me rebelar nem que seja num texto.

OBS: Baseado numa história real. Escrito em primeira pessoa para que fosse mais emotivo.

Favor comentarem nesta própria página, não só sua opinião sobre o texto, como sobre o tema de uma forma geral. Obrigada! VANESSA TRINDADE TEIXEIRA

Ai, meu pericárdio!

Ai, meu pericárdio!

Assim meu coração não aguenta, porque a virilidade de suas veias faz escorrer prazer pelas minhas pernas, tremulas de tanto gozo e delírio. Você raramente está sozinho, mas quando topa se doar um pouquinho recebe um turbilhão do meu amor. O impulso e a vontade imensa de ser invadida e te sentir em mim me faz perder a noção de perigo e dos riscos envolvidos, sem contar aquele desejo subversivo de reter mais do seu tempo comigo. O toque de suas mãos no meu corpo estreito e o alvo de seus dedos no meu orgão e nos meus seios faz vibrar o meu corpo inteiro em pelos. Você me atiça, me incendeia e me envolve mais que areia movediça. Você me ativa. Obrigada por me fazer sentir tão viva!

Ai, meu pericárdio!

Quem está em cima do muro, leva tiro dos dois lados

Tiroteio de decepções, ódio gratuito e massivo perfurando almas, julgamentos, criticas e apontamentos, relações explosivas e transgressoras. Muitas vezes imersos numa humanidade tão cruel acabamos nos sentindo sem um grau de pertencimento, quando nao somos contagiados por esta cultura de descuido, destrato e sofrimento.

Nem tudo é questão de equilibrio. A maioria das vezes precisamos realmente colocar os pés no chao, porque caminhar sobre muralhas pode nos ferir em cacos de vidro. Então se posicione, não se sinta superior, pois se o mundo se divide pule para um dos lados e se junte com aqueles que mais se identifica, buscando lutar para romper as barreiras que nos afastam, e que oprimem grupos ou os torna excluidos e segregados, construindo um novo mundo a partir de relação horizontais.